Principal
A+ A-
Parceiros:  Selecione   
CFM AMB DENEM CNTU Rede Brasileira de Museus de Medicina
Projetos políticos:  Selecione   
Câmara dos Deputados Senado Federal
Sindicatos:  Selecione   
Acre - AC Alagoas - AL Amapá - AP Amazonas - AM Anápolis - GO Bahia - BA Campinas - SP Campos - RJ Caxias do Sul - RS Ceará - CE Centro - Norte Fluminense - RJ Criciuma / Sul Catarinense - SC Distrito Federal - DF Espírito Santo - ES Goiás - GO Governador Valadares - MG Juiz de Fora - MG Maranhão - MA Maringá - PR Mato Grosso - MT Mato Grosso do Sul - MS Minas Gerais - MG Niterói e São Gonçalo - RJ Norte de Minas - MG Norte do Paraná - PR Novo Hamburgo - RS Pará - PA Paraíba - PB Paraná - PR Pernambuco - PE Petrópolis - RJ Piauí - PI Rio de Janeiro - RJ Rio Grande do Norte - RN Rio Grande do Sul - RS Rodônia - RO Roraima - RR Santa Catarina - SC Santa Maria - RS Santo André e Região - SP Santos - SP São José do Rio Preto - SP São Paulo - SP Sergipe - SE Sorocaba e Região Sul do Estado - SP Taubaté - SP Tocantins - TO
Publicações:  Selecione   
Livro FENAM Revista Trabalho Médico Jornal FENAM Boletim COMSU Código de Ética Médica PCCV Assessoria Jurídica Relatório de Gestão
Imprensa:  Selecione   
FENAM TV Notícias Galeria FENAM Rádio FENAM
Institucional:  Selecione   
A FENAM Diretoria Equipe
Navegue por bandeiras de luta

IMPRENSA FENAM

61 3042 3706 / imprensa@fenam.org.br

VOCÊ ESTÁ AQUI:     PRINCIPAL IMPRENSA FENAM GERAL NOTÍCIAS

Geral


Fraude no Simesp desvia meio milhão dos médicos

Esta notícia foi visualizada 2135 vezes.

Representantes da FENAM e advogados acompanharam a audiência, em São Paulo.



Foto: FENAM

14/05/2014

A possível fraude na emissão de boletos da contribuição sindical pelo Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp) desviou dos médicos brasileiros aproximadamente meio milhão de reais referente à Contribuição Sindical. O assunto foi motivo da 1ª audiência no Fórum Trabalhista Ruy Barbosa e na 66ª Vara do Trabalho do Estado, nesta quarta-feira (14), em São Paulo. 

 

A FENAM ajuizou ações criminais e indenizatórias após surgirem suspeitas de tentativa de simulação do imposto sindical, quando o Simesp enviou boletos de cobrança aos médicos paulistas, chamada “contribuição ao sindicato”, no valor de R$ 230,00, pelo Banco Itaú, em fevereiro deste ano. A FENAM teve acesso a esse boleto, e apensou ao processo. A cobrança, apesar de aparentar ser o imposto sindical obrigatório, na verdade, trata-se de um recolhimento que não tem amparo legal. O pagamento deste boleto não quita a obrigação do médico com o pagamento do tributo, alerta a FENAM. 

 

Levantamento realizado pela FENAM apurou que, em 2014, entre os meses de fevereiro e março, o recolhimento dos médicos de São Paulo para a FENAM, provavelmente por emissão individual do imposto no site da Caixa Econômica Federal, foi de R$ 15,8 mil. No mesmo período do ano passado, o recolhimento para a FENAM referente à emissão dentro do mecanismo legal foi de R$ 492,5 mil - valor corresponde aos 15% que a federação legalmente tem direito. “Este é o tamanho da fraude”, apontou o presidente da FENAM, Geraldo Ferreira. 

 

Além do presidente da FENAM, participaram da audiência: o secretário de Saúde Suplementar, Márcio Bichara; o diretor de Formação Profissional e Residência Médica, Antônio José; o membro da CAP-FENAM, Eglif Negreiros; o membro do Sindicato dos Médicos de Santo André e Região, Carlos Carvalho; o tesoureiro do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro, Jorge Luiz do Amaral (Dr. Bigú); e o advogado da FENAM, Luiz Felipe. Na defesa, estavam o presidente do Simesp, Cid Carvalhaes, e o advogado do Simesp. 

 

Para análise das provas, o Fórum Trabalhista Ruy Barbosa marcou nova audiência para o dia cinco de agosto de 2014. A FENAM impetrará uma nova ação, ainda essa semana, contra o Simesp uma vez que o sindicato não seguiu o Termo de Ajusta de Conduta (TAC) feito com o Ministério Público Federal, em 2004, quando se comprometeu a realizar a cobrança da Contribuição Sindical dentro dos moldes legais. A nova ação da FENAM cobrará, também, o acumulativo dos débitos do Simesp referente aos dez anos em que não houve o recolhimento. Os dados serão revelados através de pericia contábil. A FENAM alerta que, quanto aos outros sindicatos que se associaram à fraude, serão impetradas ações locais junto à Vara Trabalhista e o Ministério Público do Trabalho. 

 

A ESTRATÉGIA DO POSSÍVEL CRIME

 

A FENAM tomou conhecimento de uma reunião realizada em São Paulo, coordenada pelo presidente do Simesp, Cid Carvalhaes, com o sindicato do Pará e outros dois sindicatos, para definição de uma estratégia para “asfixiar financeiramente” a FENAM. A fonte revelou que o plano foi acolhido pelos diretores do sindicato do Pará, como Waldir Cardoso e João Gouveia. 

 

A ação definida por esse grupo seria a emissão de um novo boleto chamado “Contribuição ao Sindicato”, cobrada por outro banco, ao invés da emissão do boleto da Contribuição Sindical dentro do padrão Caixa Econômica, impedindo o rateio previsto em Lei, onde o recurso é distribuído automaticamente aos sindicatos, federações, confederações e ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). 

 

A ARRECADAÇÃO DE 2014 É COMPENSADA POR OUTROS SINDICATOS

 

Apesar da tentativa de fraude do Simesp no montante de meio milhão de reais, a arrecadação da Contribuição Sindical de 2014 dos outros sindicatos que compõe a FENAM compensou o rombo. Houve, na verdade, um crescimento no desempenho na arrecadação de vários sindicatos, como: Rio de Janeiro, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Amazonas, Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Ceará, Santa Catarina, entre outros. Em 2013, entre janeiro e abril, foram recolhidos pela Contribuição Sindical a quantia de R$ 2,4 milhões. No mesmo período, em 2014, esse valor praticamente se manteve, sendo angariado, no total, R$ 2,2 milhões.

 

 “O que ocorre, atualmente, é que com o aumento das lutas dos sindicatos de base e com o aumento da credibilidade das instituições médicas e, particularmente da FENAM, há um crescente interesse dos médicos a se associarem aos sindicatos e, consequentemente, contribuírem financeiramente para as causas do movimento médico. Dessa forma, mesmo com a fraude de São Paulo, Pará e outros poucos sindicatos, não haverá nenhum prejuízo nas ações desenvolvidas pela FENAM, o que inclui a contínua defesa das bandeiras de luta, como a desprecarização do trabalho médico, a implantação do Piso FENAM, a carreira médica, o reajuste nos honorários médicos da saúde suplementar, e o respeito aos direitos humanos na saúde”, afirmou o presidente da FENAM.


Fonte: FENAM

NOSSAS NOTÍCIAS POR E-MAIL

IMPRENSA FENAM



ÚLTIMAS NOTÍCIAS



MAIS LIDAS



ÚLTIMOS VÍDEOS





Deixe seu comentário

Não tenho Facebook


Comentários sem Facebook

Projetos políticos de interesse

Endereço
SIG, Quadra 04, Lotes 075, 083, 125 e 175, Sala nº 03, Bloco A, Mezanino, Edifício Capital Financial Center -Brasília – DF. CEP: 70.610-440
Desenvolvido por: PMY Projetos Digitais.