O desafio do piso salarial dos médicos

Notícias19 de julho de 2021
O desafio do piso salarial dos médicos

Depois de seis anos parado, o Projeto de Lei (PL) n. 765/2015, do piso salarial dos médicos, não deve ter tramitação fácil na Câmara dos Deputados. Ele continua na Comissão de Família e Seguridade Social (CSSF), primeira parada no longo caminho que tem que seguir no Congresso Nacional.

Designado relator, o deputado Hiran Gonçalves (PP-RR), considera a função um desafio. “Vou procurar construir um texto adequado, que seja bem pactuado entre o Poder Executivo, o Legislativo e a classe médica, para que possamos avançar”, afirma o parlamentar.

Relatoria do projeto do piso salarial

Apresentado em março de 2015 pelo deputado Benjamin Maranhão (SD-PB), o projeto de lei só teve indicação de relatoria dois anos depois. Mas a tarefa entregue ao então deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS), não avançou.

Em junho de 2018, a relatoria foi redesignada ao deputado Juscelino Filho (DEM-MA). No fim da legislatura, em janeiro de 2020, Juscelino deixou de fazer parte da CSSF sem também relatar. Então, o PL foi arquivado.

Desarquivado na sequência, o projeto só teve nova indicação de relator em abril deste ano, o deputado Pedro Westphalen (PP-RS), que devolveu a relatoria. Finalmente, em maio, foi indicado relator o deputado Hiran Gonçalves (PP-RR). “O projeto é um grande desafio, haja visto o tempo que tramita pela Casa”, diz Hiran.

Piso salarial foi vetado na década de 90

Por duas vezes o Congresso Nacional chegou a aprovar projetos que estabeleciam o piso salarial nacional dos médicos. O PL n. 1.270, de 1991, foi vetado pelo então presidente da República Fernando Collor de Mello, e o 4.555, de 1994, foi vetado por Itamar Franco. O Congresso Nacional não derrubou os vetos.

“Nossa luta é para que seja adotada a referência da FENAM para determinação do valor do piso. Contamos com o apoio da Frente Parlamentar da Medicina para isso”, informa o presidente da Federação Nacional dos Médicos (FENAM), Gutemberg Fialho. “Será necessária mobilização de todos os sindicatos, das demais entidades e de todos os médicos no convencimento no Congresso Nacional e na Presidência da República”, afirma Gutemberg.

Na Câmara, além da Comissão de Seguridade Social e Família, o PL 765/2015 tem que passar pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; de Finanças e Tributação; e pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Related Posts

Comment (1)

  1. Eduardo antônio gasparini

    Bom dia! Está difícil os médicos terem um piso salarial ! Qual é o problema? Agora mesmo, foi apresentado e aprovado, o piso de enfermeiras, técnica de enfermagem e auxiliar. Enquanto, os pobres mortais, os médicos, são deixados de lado. Por isso, precisam ter vários empregos para ser manterem e, acabam, aceitando míseros proventos. É uma vergonha da categoria! Enquanto não tivermos um piso decente que valoriza a categoria, seremos uma categoria facilmente manobrada pelos donas das clínicas e hospitais.
    Atenciosamente,
    Eduardo

Post your Comment

Notícias Recentes

Fenam e IBDM articulam estratégias para acelerar aprovação do Piso Salarial dos Médicos
Presidente da Fenam participa de reunião de Conselho da AgSUS
Em busca de benefícios para associados, Fenam se reúne com UnyleyaMED
Manifestação da Fenam em defesa da dignidade médica