Ministério identifica pagamento de benefícios de saúde mental para 243 mortos

15 de setembro de 2017

O Ministério da Saúde identificou  irregularidades no pagamento do benefício do Programa De Volta para Casa (PVC), concedido para pessoas que por mais de dois anos viveram em hospitais psiquiátricos. O trabalho localizou o pagamento do PVC para 243 mortos. Somente considerando pessoas que morreram depois de 2012, a concessão representou um gasto de aproximadamente R$ 3,1 milhões.

“Há casos de beneficiários que morreram há 10 anos e continuam na lista”, afirmou o  coordenador Nacional de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas do Ministério da Saúde, Quirino Cordeiro. A partir desses dados, a pasta quer agora identificar quem recebeu de fato os recursos de forma indevida para, numa segunda etapa, recuperar a verba. “Não há ainda como sabermos se havia sido montado um sistema apenas para fraudar”, disse. De acordo com Cordeiro, a investigação começará agora a ser feita.

O pagamento a pessoas mortas é apenas um exemplo da série de problemas identificada no programa de Saúde Mental. “Encontramos  falhas gritantes”, resumiu Cordeiro. Pelas contas da equipe, a pasta não sabe o destino dado a R$ 185 milhões repassados a Estados e Municípios para investimentos na área de saúde mental.

Desde que o levantamento começou, foram cancelados 150 contratos para construção ou reformas de centros de atendimento psicossocial, por falta de uso  dos recursos. A decisão agora se estende para outros 24 municípios. Em outros 50, o prazo para prestação de contas foi prorrogado.

“Havia uma falta de controle”, diz Cordeiro. O trabalho apontou ainda a ausência de critérios para a concessão de recursos. “Não se verificava, por exemplo, se o município contemplado teria condições para construir o que havia proposto, se havia demanda para o serviço.”

Os dados foram apresentados a representantes de secretários Estaduais e municipais de saúde numa reunião realizada nesta quarta, a primeira de um grupo de trabalho formado para discutir mudanças no programa de saúde mental.

A meta é fazer uma revisão da assistência, disse Cordeiro. Entre as propostas que serão estudadas está a de se colocar em prática um sistema de referência, para que haja uma integração maior entre a rede de serviços ofertada, além de maior controle e transparência.

Quando a proposta do grupo de trabalho para a revisão do programa de saúde mental foi acertada, representantes de secretários estaduais de Saúde sugeriram a ampliação das vagas de leitos psiquiátricos no País, na contramão da reforma psiquiátrica. Cordeiro afirmou, no entanto, que pelo menos nesta primeira reunião, o assunto não foi colocado em pauta.

 Fonte: Estadão

Related Posts

0 0 votes
Article Rating
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Notícias Recentes

CARTA ABERTA AOS MÉDICOS DO PROGRAMA MÉDICOS PELO BRASIL
Em audiência pública, Fenam apela por agilidade na aprovação do novo Piso Salarial de médicos e dentistas
Vitória! Alteração do decreto n° 11.999 restaura a Comissão Nacional de Residência Médica
Novas faculdades: Fenam se manifesta sobre norma regulatória do MEC
0
Would love your thoughts, please comment.x