Seminário na Câmara dos Deputados debate tecnologias para a saúde

6 de julho de 2017
Nesta quarta-feira (5), a Federação Nacional dos Médicos (FENAM) participou do Seminário Internacional Tecnologia e Saúde Pública: soluções viáveis para os desafios brasileiros na Câmara dos Deputados, em Brasília (DF). O encontro debateu sobre as novas tecnologias para a saúde com o objetivo de explorar assuntos na área de segurança, padronização e aplicações clínicas. 

O evento foi organizado pelas Comissões de Seguridade Social e Família (CSSF), Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI), Especial de Inovação Tecnológica da Saúde (CETECSAU), Mista de Desburocratização do Congresso Nacional sendo um pedido do requerimento nº 508/17, de autoria do presidente da Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF), deputado Hiran Gonçalves (PP/RR).

 

Segundo o parlamentar o seminário foi importante para discutir aprimoramentos para a saúde. “Eu acho que seminário é muito importante e vai trazer muitas luzes para que nós possamos deliberar e legislar sobre essa matéria aqui no parlamento”, declara. 

Para o diretor de Saúde Suplementar da FENAM, dr. Antônio José dos Santos, “a discussão foi positiva, porque se propõe a antecipar, facilitar e prever uma série de alterações que vão acontecer com os seres humanos na maneira mais breve possível para aumentar a sobrevida do indivíduo”. 

No entanto, o diretor considera que essas inovações não chegarão a todos. “As tecnologias apresentadas são caras e não vão ficar a disposição de todos mesmo em países desenvolvidos”, afirma. 

Segundo o consultor e médico do Hospital Sírio-Libanês, André Osmo, um dos palestrantes do evento, “nós ainda centramos muito na atenção terciária e menos na primária. Deveríamos privilegiar a atenção primária, isso significaria custos mais racionalizados”. Osmo conclui que “nossos serviços estão organizados para atender muito bem condições agudas, sem seguimento das condições crônicas”. 

No mesmo sentido a coordenadora médica da IBM, doutora Mariana Perroni, considera que viver mais, não é sinônimo de viver bem. Relata também um aumento das doenças crônicas e casos de câncer.  

Além desses palestrantes, esteve presente também o Ministro da Saúde, Ricardo Barros, que destacou sobre as tecnologias que o governo federal utiliza. 

Fonte: FENAM

Posts Relacionados

Publique seu comentário