Piso salarial dos médicos volta a tramitar no Congresso

Notícias4 de maio de 2021
Piso salarial dos médicos volta a tramitar no Congresso

Voltou a tramitar no Congresso Nacional a fixação do piso salarial nacional dos médicos. O presidente da Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF), Dr. Luiz Antônio Teixeira Jr. (PP-RJ), designou o deputado Pedro Westphalen (PP-RS) foi designado relator do Projeto de Lei (PL) 765/2015 do deputado Benjamin Maranhão (SD/PB).

A esse projeto foram apensados cinco outros projetos que tratam do mesmo tema, mas que estavam parados no Legislativo. Com valores de referência referentes a anos diferentes, de 2015 a 2019, a maioria desses projetos de lei usam o salário base da Federação Nacional dos Médicos para contratos de 20 horas, hoje em R$ 16.106,38 como referência para as propostas. A partir da proibição de indexação de salários e preços, a referência deixou de existir e a Federação Nacional dos Médicos passou a corrigir o valor pelo índice de inflação oficial. Hoje ele é  corrigido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Em 2019, o piso salarial atualizado pela Fenam foi o valor de referência para o estabelecimento dos contratos de trabalho do programa Médicos pelo Brasil, do Ministério da Saúde.

Sem piso salarial surgem os vazios assistenciais

Até 1988, o piso salarial nacional dos médicos era definido pela Lei no 3.999, de 1961, que estabelecia o piso salarial da categoria em três salários mínimos das regiões ou sub-regiões em que os profissionais exercessem a profissão.

A extinção de um piso de referência deu margem a distorções e é um dos fatores que motivam a falta de profissionais em diversas localidades. Não raro, municípios lançam editais com oferta de remuneração até abaixo de três salários mínimos. O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul (Cremers), por exemplo, suspendeu judicialmente em 2019 um concurso promovido pela prefeitura de Bagé, que oferecia remuneração mensal de R$ 1,3 mil por carga horária de 20 horas semanais. Em 2020, suspendeu o concurso do município de Santa Maria, que oferecia salário de R$ 1.453,06, com a mesma carga horária. “O enfrentamento à pandemia da covid-19, que demonstrou o protagonismo dos médicos, deixou em evidência que a remuneração oferecida não só por municípios, mas também por diversos estados, não é compatível com a função. Comparados com o mercado, os valores oferecidos pelos governos é irrisório e isso prejudica o próprio preenchimento de vagas de trabalho no SUS”, aponta o presidente da Federação Nacional dos Médicos, Gutemberg Fialho.

Tramitação atravancada no Congresso Nacional

O estabelecimento de piso salarial é tema de difícil progresso no Congresso Nacional. Apresentado em 17 de março de 2015, para relatar o PL 765/2015 a CCSF já designou, em maio de 2017, o então deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS). Em junho de 2018, quem assumiu a relatoria foi o deputado Juscelino Filho (DEM-MA). Em janeiro de 2019, o projeto foi arquivado. Foi desarquivado em fevereiro de 2019 e, em novembro daquele ano, passou a ser relatado pelo deputado Luiz Ovando (PSL-MS). Se for aprovado na CSSF a versão do atual relator, o projeto será apreciado pelas comissões de Trabalho, Administração e Serviço Público (CTASP), Finanças e Tributação (CFT) e Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC). Vencidas essas fases e apreciado pelo Senado Federal, o projeto segue para sanção presidencial.

Na década de 1990, o Congresso Nacional aprovou dois projetos de lei que davam novos valores ao salário profissional dos médicos. Ambas as proposições (Projetos de Lei nº 1.270, de 1991, e nº 4.555, de 1994) foram vetadas pelo presidente da República. Nos dois casos, os vetos foram mantidos pelo Congresso Nacional.

“Não será uma tramitação fácil, mas a Federação Nacional dos Médicos, com o apoio do Instituto Brasil de Medicina e da Frente Parlamentar da Medicina, vai envidar todos os esforços para que se estabeleça o piso, o que vai ajudar a resolver o problema dos vazios assistenciais em diversas regiões do interior do país”, afirma Gutemberg Fialho.

Projetos de lei apensados (que tramitam em conjunto) ao PL 765/2015:

PL 776/2015, PL 11162/2018, PL 1584/2019, PL 2201/2019 e PL 1602/2015 (esta última prevê fixação do piso salarial por acordo ou convenção coletiva de trabalho ou por legislação estadual.)

Related Posts

Post your Comment

Notícias Recentes

Fenam participa da Posse da Diretoria Executiva da Amib
AgSUS – antiga Adaps – anuncia seus três novos diretores
Fenam assina Relatório Final do XIV ENEM 2023
Nesta terça-feira, dia 5, a Comissão Nacional Pró-SUS