Nota pública

Notícias16 de julho de 2019
Nota pública

Nota pública

Quando foi lançado o Programa Mais Médicos, em 2013, os médicos, suas entidades representativas e lideranças, incluído o então deputado federal Luiz Henrique Mandetta, se opuseram à proposta e apontaram diversas inconsistências e o caráter eleitoreiro do programa, lançado às vésperas de um período eleitoral.

Hoje, os médicos, suas entidades representativas e lideranças que não ocupam cargos de gestão continuam batendo na mesma tecla: um Mais Médicos relançado às vésperas da abertura do processo eleitoral municipal continua sendo uma aberração que não resolve a questão da interiorização da assistência em saúde e dos vazios sanitários no território brasileiro, contraria a legislação trabalhista do país, desmoraliza a formação do profissional médico e protela a adoção das medidas estruturantes para o avanço da universalização da assistência em saúde no Brasil.

Nada indica que os profissionais cubanos, com diplomas validados após aprovação no Revalida, agora ou daqui a dois anos, venham a permanecer nas localidades em que atuaram no Mais Médicos. A própria reforma previdenciária em curso torna forçoso que os profissionais, ainda no início de carreira, procurem relações formais e mais vantajosas para garantir a futura aposentadoria.

A Federação Nacional dos Médicos (FENAM) defende a criação de uma Carreira Médica de Estado com vínculo estatutário e a aplicação de exames de revalidação de diplomas obtidos no exterior (Revalida), pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), sem viés ideológico e/ou partidário, com regras claras e sem concessão a interesses mercantis, antes da permissão do exercício da Medicina, e avaliação rígida dos cursos de medicina atualmente oferecidos no país.

Ao nosso ver, a solução para o problema histórico dos desertos assistenciais só vai ser alcançada com a materialização da Carreira Médica de Estado e não com a imposição de trabalho nos rincões a quem não tem a opção de exercer a Medicina de outra forma, pela falta do registro profissional, ou a estudantes com débito do financiamento estudantil. Essas são distorções que perpetuam os erros cometidos no passado, os quais foram condenados pela própria cúpula do atual governo.

Posts Relacionados

Publique seu comentário