FENAM se reúne com presidente da ANVISA

26 de julho de 2018
Brasília, 20/07 – O presidente da FENAM – Federação Nacional dos Médicos, Dr. Jorge Darze, se reuniu na manhã do último dia 19, com o presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) Dr. Fernando Mendes Garcia Neto.

A audiência foi solicitada pela FENAN para levar ao conhecimento da ANVISA denúncia dos médicos que trabalham na área do Porto e do Aeroporto no Rio de Janeiro sobre as condições de trabalho e de assédio moral.

– A nossa intenção foi abrir um canal de conversação com a presidência da ANVISA e evidentemente buscar um caminho para negociar a solução desse impasse – disse Darze.

A diretoria da FENAM foi procurada por médicos da ANVISA que expuseram a situação da agência no Rio se Janeiro. Segundo eles, a agência vem sofrendo um esvaziamento progressivo de servidores, seja por conta de aposentadorias ou de vacância por outros motivos e, apesar disso, não houve e autorização para um novo concurso público.

A ANVISA tem um papel estratégico nacional muito importante já que grande parte do PIB brasileiro e de tudo que é produzido no Brasil passa, obrigatoriamente pela fiscalização da Agência. 

– Não é preciso lembrar que a ANVISA tem uma função social de grande relevância além de ser a instituição que controla a circulação de pessoas, não só entre brasileiros como também de estrangeiros que vêm ao Brasil. Seja no controle de doenças – e podemos ver isso na entrada dos venezuelanos lá pelo norte do Brasil que já trouxe o sarampo de volta para o país – ou no controle de fronteiras por parte da agência, é a ANVISA o órgão encarregado desta função – destaca Darze.

Para ele o que está esta discussão tem uma grande relevância para o Rio de Janeiro que é uma das portas de entrada do país e que historicamente sempre teve um papel preponderante, tanto no tráfego de pessoas pelo aeroporto e de cargas pelos terminais de portos. 

O presidente da FENAM lembra também da função social e até de segurança nacional da ANVISA.

– Não é sobre qualquer coisa que nós estamos tratando. Este cenário de desmonte da agência no Rio de Janeiro é um motivo de preocupação. Pela carência de pessoal já não temos mais plantão médico para quem chega pelo porto do Rio de Janeiro. Há alguns dias um navio deixou um corpo no Porto do Rio de Janeiro e não tinha médico para receber e saber do que se tratava. Isso é algo grave. Não ter plantonista no porto do Rio de Janeiro demonstra a fragilidade na área de recursos humanos. E isso não é só no Porto;  no principal aeroporto do país existe uma carência grande de médicos também – lamenta o presidente da FENAM.

Outra alerta que foi feito pela FENAM ao presidente da ANVISA foi em relação ao gestor da agência da ANVISA no Rio de Janeiro. Segundo as denúncias dos médicos, o que se tem visto são atitudes que não contribuem para harmonia do trabalho entre as diversas carreiras que compõem ANVISA. 

Segundo Darze há indícios de atitudes que podem se configurar como assédio moral e desrespeito ao exercício profissional, como mudanças de horários no trabalho de pessoas que há anos vem cumprindo a sua jornada habitual de trabalho, o que contribuiu para desarmonizar o ambiente de trabalho. 

– Ele (o presidente da ANVISA) sugeriu então que nós fizéssemos esta denúncia por escrito, o que já estamos providenciando, além de orientar que a gente pedisse uma reunião com o responsável por essa área na direção nacional da ANVISA, que responde também pelo Rio de Janeiro para tentar chegar a uma superação das dificuldades que estão sendo encontradas  – finalizou o presidente da FENAM.

Participaram também da reunião Fernando Mendes, Diretor da Anvisa, Tatiana Cambraia, Assessora da Anvisa, e Dra. Tereza Leão e Dr. Luiz Felipe Buaiz, ambos da FENAM.

Publique seu comentário