Brasileira é nomeada diretora da OMS para acesso a medicamentos e vacinas

6 de outubro de 2017
A brasileira Mariângela Batista Galvão Simão foi nomeada diretora-geral assistente para acesso a medicamentos, vacinas e produtos farmacêuticos da Organização Mundial da Saúde (OMS), informou a agência das Nações Unidas.


 

Anteriormente, ela atuava como diretora do Departamento de Direitos, Gênero, Prevenção e Mobilização Comunitária do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS). Tem mais de 30 anos de experiência no sistema brasileiro de saúde pública e teve papel ativo na ampliação e descentralização dos serviços de saúde no país, de acordo com a OMS.


 

A brasileira Mariângela Batista Galvão Simão foi nomeada diretora-geral assistente para acesso a medicamentos, vacinas e produtos farmacêuticos da Organização Mundial da Saúde (OMS), informou a agência das Nações Unidas na terça-feira (3).


Anteriormente, ela atuava como diretora do Departamento de Direitos, Gênero, Prevenção e Mobilização Comunitária do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS). Mariângela tem mais de 30 anos de experiência no sistema brasileiro de saúde pública e teve papel ativo na ampliação e descentralização dos serviços de saúde no país, de acordo com a OMS.


Entre 2006 e 2010, ela atuou como diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais, onde liderou bem sucedidas negociações de preços com companhias farmacêuticas para medicamentos contra o HIV.


Também representou o Ministério da Saúde em negociações que levaram à constituição da UNITAID em 2006, tendo atuado como membro de seu conselho até 2008. Mariângela é pediatra e tem mestrado em saúde pública pela Universidade de Londres, no Reino Unido.


“Mariângela é motivada pelo firme compromisso de colocar as pessoas no centro da resposta”, disse diretor-executivo do UNAIDS, Michel Sidibé. “Ela é uma apaixonada defensora dos direitos humanos e espero continuar trabalhando com ela para garantir que ninguém seja deixado para trás no acesso aos medicamentos”.


Segundo o UNAIDS, a profissional teve importante papel no desenvolvimento de políticas e recomendações sobre o impacto do estigma e da discriminação relacionados ao HIV nos sistemas de saúde, prevenção do HIV entre adolescentes e mulheres jovens, direitos humanos e HIV, o fim da ampla criminalização da transmissão do HIV e parcerias com a sociedade civil.

0 0 votes
Article Rating
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Notícias Recentes

CARTA ABERTA AOS MÉDICOS DO PROGRAMA MÉDICOS PELO BRASIL
Em audiência pública, Fenam apela por agilidade na aprovação do novo Piso Salarial de médicos e dentistas
Vitória! Alteração do decreto n° 11.999 restaura a Comissão Nacional de Residência Médica
Novas faculdades: Fenam se manifesta sobre norma regulatória do MEC
0
Would love your thoughts, please comment.x