Simepar obtém decisão liminar na justiça proibindo que prefeitura contrate OS ou terceirizada

6 de setembro de 2017

O Sindicato dos Médicos do Paraná (Simepar) obteve, nessa terça-feira (5), decisão liminar na justiça proibindo que a prefeitura de Curitiba (PR), contrate Organização Social (OS),  ou qualquer entidade terceirizada, para colocar mão-de-obra substitutiva dos médicos nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAS), ou em qualquer outra unidade de saúde administrada pela Fundação Municipal de Saúde (Feaes).

A Justiça entendeu que a atitude é ilegal e vem de encontro ao direito de greve dos médicos, prejudicando estes profissionais. Por isso proibiu a contratação de Organizações Sociais (ou outras entidades, seja qual for a natureza), contratação esta que era o objetivo do prefeito Rafael Greca com a aprovação da lei da terceirização da saúde e da educação, semana passada, na Câmara de Vereadores.

 “Com base nestas condutas apresentadas ao judiciário, é que houve a compreensão e entendimento de que deveria ser concedida a liminar, que visa justamente garantir o exercício constitucional do direito de greve”, explicou  o secretário-geral da Federação Nacional dos Médicos (FENAM) e presidente do Simepar, Mario Ferrari. 

Segundo Ferrari, os médicos continuam em greve porque a Feaes  não apresenta uma resposta às reivindicações mínimas encaminhadas pelo sindicato. “A única proposta feita até agora é a retirada de direitos. Isto é inaceitável,” esclareceu.  

Em Colombo a greve dos médicos completa no próximo dia 13 de setembro três meses.

Fonte: FENAM, com informações do Simepar

Related Posts

Post your Comment

Notícias Recentes

Negociações coletivas: Fenam se faz presente no 2º dia de evento do Ministério do Trabalho
Lúcia Santos conversa com Ministro do Trabalho, Luiz Marinho
Fenam participa de debate sobre negociações coletivas em evento do Ministério do Trabalho
Transmissão ao vivo do 1º Congresso Sindical da FENAM