FENAM reivindica melhores condições de trabalhos para os médicos federais, em audiência na Câmara dos Deputados

1 de setembro de 2017

O presidente da Federação Nacional dos Médicos (FENAM), Dr. Jorge Darze, participou, nesta quarta-feira (30), em Brasília (DF), de uma audiência pública na Comissão de Seguridade Social, na Câmara dos Deputados.  O objetivo foi debater a situação dos hospitais federais, com destaque especial ao caso do Rio de Janeiro.

A reunião foi presidida pelo deputado Federal, Hiran Manuel Gonçalves (PP-RR), e contou com a participação dos demais deputados que fazem parte deste segmento, servidores dos hospitais do Rio de Janeiro, e do ministro da Saúde, Ricardo Barros .

Dr. Darze foi convidado a compor a mesa e iniciou os trabalhos com um relatório sobre a calamidade enfrentada pela Saúde do estado. “Nós do Rio de Janeiro temos vivido uma situação dramática, um estado falido. Um governo que perdeu completamente sua referência do ponto de vista de atuação governamental. As suas responsabilidades sociais estão à deriva e já cassado seu mandato pelo Tribunal Regional Eleitoral. A rede do município do Rio de Janeiro, com um governo há oito meses no poder, tem dado mostra de dificuldades no atendimento de emergência da cidade.  Os hospitais federais são responsáveis pela alta complexidade,  fazem os  procedimentos que as demais redes não fazem, formam pessoal e atendem uma população que vem de outros estados. Portanto, são unidade de referência nacional. Alguns deputados aqui presentes, fizeram sua especialização nessas unidades”, disse.

O presidente destacou ainda as dificuldades enfrentadas pelos institutos, como o do Câncer, o de Cardiologia e o de Traumatologia, que são unidades de referencia nacional para o atendimento dessas doenças. “Essa rede há anos vem passando por enormes dificuldades e com certeza aumentou nos últimos anos. Além de não realizar concurso público, merece destaque que a grande maioria que seus profissionais, já está com tempo de aposentadoria. O governo federal se utiliza de uma mão de obra temporária, para suprir o déficit,  cujos contratos vem sedo renovados seguidamente. Atualmente centenas destes médicos temporários estão com seus contratos vencidos e não foram renovados. O que tem acarretado uma piora do funcionamento de vários serviços importantes destes hospitais”, destacou.

O diretor de Saúde Suplementar da FENAM, Dr. Antônio José,  cobrou uma solução para esses problemas e destacou que espera que os parlamentares ajudem a criar um canal de negociação com o governo federal, objetivando buscar soluções para estes graves problemas.

 O mundo imaginário

Para o Dr. Darze, o Ministro vive uma realidade paralela à enfrentada pelos profissionais de saúde e pacientes. O ministro afirmou que “o apoio do Ministério é total para os hospitais do Rio de Janeiro. Nós temos feito tudo que podemos para que eles avancem. Nós temos uma expectativa de economizar 20% a 40% nas compras conjuntas, fazendo as licitações de todos ao mesmo tempo. É muito recurso que será economizado. A regulação do estado/município não está 100% como nós queríamos, mas os hospitais estão com seus leitos na regulação, o que já é um grande avanço”.

Além disso, o ministro afirmou ainda que o Rio de Janeiro é um dos que recebem maior per capita do Brasil. Segundo ele, são R$ 3,5 bilhões anualmente, o que,  segundo ele  fazem com que o Rio de Janeiro e o Rio Grande do Sul sejam estados com maior valor per capita de investimento federal por habitante.

Sobre o déficit de pessoal, Ricardo Barros afirmou que a contratação de 2 mil profissionais temporários resolvem o déficit. É importante lembrar que dados recentes mostram que cerca de 3.600 trabalhadores tiveram seus contratos encerrados, ou seja, o número é quase o dobro do que a consultoria da Saúde, contratada por quase R$ 2 milhões, acha suficiente para suprir a carência.

Visão de alguns parlamentares

 Grande parte dos parlamentares presentes falaram sobre o situação caótica da saúde pública brasileira. O deputado federal Luiz Henquique Mandeta (DEM), alertou que faltam utensílios básicos para que os profissionais possam trabalhar. “Coloco-me à disposição para atender em qualquer uma das unidades de saúde. Desde que tenhamos condições básicas para atender os pacientes”, falou.

Jandira Feghali (PCdoB) enfatizou todos os pontos abordados por Dr. Darze e lembrou que é necessária a urgência de ações governamentais. “Vemos o sucateamento de grandes hospitais, como o Bonsucesso, e quem sofre é a população”, disse.

“O atual governo está faltando com o compromisso com a população e com o que é essencial para a Saúde Pública de qualidade”, destacou Luiza Erundina de Sousa (Psol).

Na noite desta quarta-feira, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, recebeu Dr. Darze e o diretor de Saúde Suplementar da FENAM, para tratar da situação da saúde pública e dar continuidade ao debate. O ministro se dispôs a convidar a FENAM para participar das próximas audiências que terão no Rio de Janeiro (RJ). 


Reunião com o ministro da Saúde



 

Darze fala sobre a audiência pública na Comissão de Seguridade Social. Veja o vídeo.

Acesse aqui as fotos do evento

Fonte:
FENAM

 

Posts Relacionados

Publique seu comentário