Simepar denuncia condições de trabalho precárias no atendimento à covid-19

Notícias23 de março de 2021
Simepar denuncia condições de trabalho precárias no atendimento à covid-19

O Sindicato dos Médicos no Estado do Paraná (Simepar), juntamente com outros sindicatos de trabalhadores de Saúde, denunciou ao Ministério Público do Trabalho as péssimas condições de trabalho dos médicos e médicas e demais profissionais no enfrentamento à Covid-19 em Curitiba e no estado do Paraná.

O MPT realizou nesta quarta-feira (17) uma audiência virtual que foi conduzida pelo Procurador do Trabalho, Dr. Alberto Emiliano de Oliveira Neto. O Simepar foi representado pela Secretária Geral, Dra. Claudia Paola Carrasco Aguilar e pelo advogado, Dr. Luiz Gustavo de Andrade.

Na oportunidade foram apresentadas denúncias de:

• Falta de equipamentos de proteção individual (EPIs) nas Unidades de Pronto Atendimento e Unidades Básicas de Saúde de Curitiba;
• A não emissão da CAT nos casos relacionados a Covid-19;
• Jornadas de trabalho excessivas com plantões muito extensos;
• Não concessão de intervalo para descanso;
• Assédio moral em algumas unidades praticados pela chefia imediata;
• Falta das máscaras N95;
• Falta de ‘faceshield’;
• Falta de insumos como oxigênio e medicamentos necessários para pacientes
Entubados;
• Falta de fisioterapeutas;
• Excesso de pacientes;
• Falta de leitos de UTI.

Os representantes dos médicos ressaltaram que a falta de estrutura repercute negativamente sobre o exercício da atividade profissional pelos médicos e o pelos demais profissionais da saúde.

A Dra. Claudia Paola Carrasco Aguilar, Secretária Geral do Simepar, afirmou que, em que pese a pressão para o aumento do número de leitos, não há profissionais suficientes para atender essa demanda.

“O SUS deve contratar mais médicos e equipes de apoio, essa é a única forma de ampliar a rede de atendimento. Os médicos estão se sentindo desvalorizados, estão sem reajuste, trabalhando sobrecarregados, muitas vezes sendo mudados de função e de local de trabalho, sem horários de descanso e sob intensa pressão psicológica.” Afirmou a médica.

O Dr. Luiz Gustavo de Andrade, advogado do Simepar, sugeriu que as próximas demandas judiciais fossem propostas em conjunto pelas entidades sindicais e Ministério Público do Trabalho, perante a Justiça do Trabalho, para melhorias das atuais condições estruturais das unidades de saúde.

Participaram da audiência, além do Simepar, o Sindisaúde, Sismuc e Sismec. Vale lembrar boa parte das denúncias são reiteradas e já foram objetos de ações judiciais anteriores.

O Ministério Público Trabalho irá convocar os gestores das Secretarias Municipal e Estadual da Saúde, bem como representantes do Ministério da Saúde para prestar esclarecimentos sobre as denúncias e procurar sanar os problemas enfrentados pelos profissionais. Caso não haja solução, as demandas seguem para a Justiça do Trabalho.

Desde o início da pandemia, o Simepar interpôs contra a FEAS cinco ações na Justiça do Trabalho. Como resultado, a Justiça determinou o fornecimento de máscara e equipamentos de proteção; a testagem nos profissionais; o ressarcimento das testagens da Covid-19 pagas pelos médicos e também o afastamento dos médicos que fazem parte dos grupos de risco e maiores de 60 anos.

Há ainda várias conquistas similares em ações impetradas contra os consórcios públicos no estado inteiro, contra a Ebserh e o Hospital de Clínicas, dentre outros.

Related Posts

Post your Comment

Notícias Recentes

Fenam e IBDM articulam estratégias para acelerar aprovação do Piso Salarial dos Médicos
Presidente da Fenam participa de reunião de Conselho da AgSUS
Em busca de benefícios para associados, Fenam se reúne com UnyleyaMED
Manifestação da Fenam em defesa da dignidade médica