Cinco motivos para combater e evitar uso excessivo de álcool

19 de fevereiro de 2018

O hábito de beber pode parecer à primeira vista um ato inofensivo. Contudo, o exagero na dose pode trazer consequências drásticas ao longo do tempo, como cânceres e hepatites. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 3,3 milhões de pessoas morrem em todo mundo vítimas do consumo exacerbado do álcool.

Dependência

O alcoolismo entrou para a Classificação Internacional de Doenças (CID) em 1989 como transtorno mental e comportamental provocado pelo uso de psicoativos. A doença é crônica é possui diversos fatores de risco, como a frequência e a quantidade do consumo, mas também herança genética e condições psicossociais.

Segundo levantamento do Ministério da Saúde, 16,7% da população brasileira fez uso nocivo de bebidas ao longo do ano passado, que pode levar à dependência. Nesses casos, o indivíduo tem comportamentos como: ingerir álcool em situações de frustração, beber em grandes quantidades e por longos períodos, esforçar-se para conseguir a bebida e um desejo intenso, além de comprometer atividades sociais por causa da bebida.

Doenças

O consumo excessivo de álcool está associado ao surgimento de mais de 200 doenças, como cânceres de boca, orofaringe e mama. Contudo, o fígado é um dos órgãos mais afetados pela ingestão exagerada da bebida, já que metaboliza o álcool no organismo. Assim, a cirrose hepática, juntamente com o câncer hepático e transtornos relacionados ao álcool produziram 28,3 mil vítimas em 2015.

Mutação genética

Um estudo recente do Laboratório de Biologia Molecular da Universidade de Cambridge indicou o impacto da ingestão de álcool sobre as células. Após testes em cobaias, os cientistas descobriram que ao longo dos anos, o DNA de células-tronco (que podem dar origem a outras de qualquer tipo) é modificado pela presença do acetaldeído, subproduto do álcool. Algumas pessoas não possuem as enzimas para eliminar a substância, que se acumula.

Se beber, não dirija

Mas os efeitos do abuso da bebida também podem não demorar a aparecer: no trânsito, 6 mil foram vítimas de motoristas embriagados no ano passado. Pesquisa do Ministério da Saúde mostra que 6,8% dos brasileiros admitem pegar o volante depois de beber. Somente em rodovias federais, 455 pessoas perderam a vida em 2017 em 6,4 mil ocorrências envolvendo álcool e direção.

Prejuízos econômicos

Além de ser um problema de saúde pública, o consumo excessivo de álcool também provoca perdas para a economia do País. Os gastos com tratamentos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) a problemas associados ao álcool, somadas aos gastos da Previdência Social com acidentados chegam a 7,3% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

Fonte: Governo do Brasil, com informações do Agência Nacional da SaúdeFundo Nacional da SaúdeUnifespPRF e Cisa 

Related Posts

Post your Comment

Notícias Recentes

Fenam e IBDM articulam estratégias para acelerar aprovação do Piso Salarial dos Médicos
Presidente da Fenam participa de reunião de Conselho da AgSUS
Em busca de benefícios para associados, Fenam se reúne com UnyleyaMED
Manifestação da Fenam em defesa da dignidade médica