Servidores de Caxias fazem manifestação contra atrasos salariais e corte de pontos, nesta quinta-feira

14 de novembro de 2017
Os servidores municipais de Duque de Caxias (RJ), em especial os médicos, não recebem seus salários desde setembro deste ano. A categoria iniciou um movimento grevista no dia 10 de julho, devido aos atrasos salariais e à falta de um calendário de pagamento. Além de não regularizar a situação, a Prefeitura realiza descontos nos contracheques de quem aderiu à paralisação. A Federação Nacional dos Médicos (FENAM) orientou que os médicos protocolem os contracheques descontados no Ministério Público Estadual – subsede de Caxias – para documentar uma ação civil pública, que o MP vai ajuizar para garantir o pagamento dos dias descontados. “Até médicos que estavam de férias foram descontados em folha, isso é uma arbitrariedade muito grande, pois a nossa greve é legal”, defendeu o presidente da FENAM, Jorge Darze. 

 

Durante assembleia realizada pela FENAM na noite desta segunda-feira (13), no auditório do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj), os servidores aprovaram ainda a participação da categoria de Saúde na grande manifestação que vai ocorrer no próximo dia 16, às 10 horas, em frente à Prefeitura de Caxias. Será um ato unificado de todas as áreas da rede municipal. O último salário que os trabalhadores receberam foi referente ao mês de agosto.


 

A FENAM solicitou uma audiência com a presidência do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, para tratar da pauta da greve e do andamento da ação civil pública, ajuizada pela entidade, que solicita a regularização do calendário de pagamento. O processo tramita no município de Duque de Caxias, mas ainda não obteve sentença. Em breve, a Justiça deve convocar o prefeito de Caxias, Washington Reis, para a negociação entre as autoridades e a FENAM.  


No próximo dia 21, às 10 horas, será realizada uma Audiência Pública na Câmara dos Vereadores – Plenário Vilson Campos Macedo – para discutir o sucateamento das unidades de Saúde e o atraso no pagamento dos salários.


Publique seu comentário