Nota de repúdio ao Ministro da Saúde

4 de julho de 2017
Em reunião nesta última quinta-feira (29 de junho) em Brasília, o Conselho de representantes

da Federação Nacional dos Médicos decidiu, por unanimidade, manifestar publicamente seu

repúdio às declarações do Ministro da Saúde, Ricardo Barros, por suas posições acerca da

política de saúde.

Em sua fala o Ministro demonstrou a falta de domínio de um gestor público sobre a área que

deveria administrar, anunciando que “é preciso rever o tamanho do SUS”, considerado por

ele um sistema muito grande. Em outra frase cita, “ quanto mais gente puder ter planos,

melhor, porque vai ter atendimento patrocinado por eles mesmos, o que alivia o custo do

governo em sustentar essa questão. ” Ao sugerir que um sistema de saúde baseado em planos

privados é mais eficiente que o SUS, Barros vai na contramão dos dados internacionais sobre

saúde pública, atentando contra a dignidade da população brasileira.

O novo plano do Governo Federal pretende rever o gasto obrigatório com a saúde, o que

revela uma vontade de sucatear o sistema a fim de justificar uma participação maior da rede

privada.

Além disso, a maior doação individual para a campanha de Barros em 2014, no valor de

R$100 mil, veio de uma administradora de planos de saúde privados. As declarações do

Ministro da Saúde coroam o que já estava posto no Plano Michel-Temer plagiado do plano

de 2014 de Aécio Neves.

Mexer em direitos já conquistados com muita luta e que hoje é um setor importantíssimo para

a população brasileira é um crime, existem interesses corruptos com certeza e agora a bola da

vez são os ataques ao Sistema Único de Saúde. Temos que repudiar esse tipo de ameaça, não

podemos deixar que nos tirem direitos conquistados com tanto sacrifício pelo povo brasileiro.

A Federação, os sindicatos, conselhos de saúde, profissionais da saúde, parlamentares e toda

a sociedade civil precisam ficar atentos sobre os riscos que corre o nosso Sistema Único de

Publique seu comentário