Fenam participa de audiência pública sobre assistolia fetal

Notícias29 de maio de 2024
Fenam participa de audiência pública sobre assistolia fetal

Nesta terça-feira (28), a Câmara dos Deputados promoveu uma audiência pública para discutir a Resolução nº 2.378/2024 do Conselho Federal de Medicina (CFM), que proíbe a prática da assistolia fetal, um procedimento que resulta em feticídio. O evento foi organizado pela Comissão de Previdência, Assistência Social, Infância, Adolescência e Família, e contou com a presença de deputados federais, além de especialistas médicos que explicaram a natureza dolorosa e cruel da assistolia.

A deputada Chris Tonietto (PL-RJ), responsável por convocar a audiência, enfatizou a necessidade de discutir o assunto. “Os defensores da cultura da morte, que aplaudem esse tipo de prática, são cúmplices. O aborto é crime”, afirmou Tonietto.

Representando a Federação Nacional dos Médicos (Fenam), a presidente Lúcia Santos e o diretor de Saúde Suplementar Samuel Rêgo participaram do debate. Dra. Lúcia destacou que a discussão transcende ideologias políticas e impacta toda a sociedade.

“A Fenam é contra o feticídio em gestações acima de 22 semanas. Consideramos os direitos à vida do feto, à saúde da gestante e do médico”, disse. Ela ressaltou os riscos do procedimento: “Além de arriscar a vida da gestante e causar a morte do feto de maneira cruel, provoca um sofrimento incalculável ao médico, que carrega consigo seus valores morais e espirituais”.

O deputado Zacharias Calil, médico-cirurgião pediátrico, simulou a realização de um aborto por assistolia fetal, explicando que o procedimento, que pode durar até duas horas, é extremamente doloroso para o feto. “Isso é feticídio. Não podemos permitir que isso aconteça com nossos bebês. Este procedimento é proibido até para uso em animais e em casos de pena de morte”, destacou Calil.

A deputada federal Clarissa Tércio, autora do projeto de lei (PL 1096/24) que criminaliza a assistolia fetal, lamentou a prática do procedimento, que já submeteu muitos fetos a tortura e tratamento desumano. “Tantos bebês em formação foram submetidos a tortura e tratamento degradante”, disse Tércio.

O deputado federal Dr. Frederico, médico oncologista, clamou por urgência na proibição legal da assistolia fetal.

Na véspera da audiência, no dia 27, o CFM havia recorrido ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra a decisão do ministro Alexandre de Moraes, que suspendeu a Resolução nº 2.378/2024. O conselho solicitou que o caso seja redistribuído ao ministro Edson Fachin. Segundo o conselho, Fachin deve assumir o processo por ser o relator da Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 989, que questiona uma nota técnica do Ministério da Saúde sobre a atenção aos casos de aborto.

Related Posts

0 0 votes
Article Rating
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Notícias Recentes

CARTA ABERTA AOS MÉDICOS DO PROGRAMA MÉDICOS PELO BRASIL
Em audiência pública, Fenam apela por agilidade na aprovação do novo Piso Salarial de médicos e dentistas
Vitória! Alteração do decreto n° 11.999 restaura a Comissão Nacional de Residência Médica
Novas faculdades: Fenam se manifesta sobre norma regulatória do MEC
0
Would love your thoughts, please comment.x